domingo, 15 de julho de 2012

Direto de Chatillon: Entrevista de Lucio.

Lucio chegou e hoje deu a sua entrevista de apresentação, já em Chatillon, onde a pré-temporada está acontecendo. O jogador foi recebido com muita festa e está nos braços da torcida, ainda mais pelas suas palavras... Confira tudo:
Que efeito te dá estar na Juve?
"É um efeito muito bom. É o segundo dia que treino com o grupo e estou contente".

Se falou outras vezes da transferência de Lucio a Juventus, alguns anos atrás. O que não funcionou para acontecer? Por que escolheu a Inter?
(Lucio não entendeu bem a pergunta). "Primeiro teve um encontro e eu decidi ir embora e a Inter também queria que eu fosse embora. Para mim é uma página virada e penso somente aqui, estou contente e para a minha carreira será importante. A Juve é uma grande equipe".

Por quê escolheu a Juve?
"Porque me agrada a verdade e quando se tratava da Juventus, um mês depois do fim da Serie A, era a coisa mais concreta. E devo dizer que a Juve é uma grande equipe, é um grande projeto também para mim... Eu quero sempre jogar em um time grande para estar no nível de um grande grupo".

O quanto te surpreendestes da recepção dos torcedores? Tu sabe quanta rivalidade tem entre Inter e Juve. Esperavas vaias? Te aplaudiram desde o primeiro dia.
"Eu sou um que visto mesmo a camisa e faço aquilo que devo para o meu time. Hoje é a Juve e a minha intenção aqui é fazer o melhor, dedicar-me ao máximo para a Juve".


Tu venceu uma Champions com a Inter. Esta Juve está em condições de ir bem longe nesta competição?
"Eu penso que com a mentalidade que tem, não pode ser diferente, porque sempre teve bons times e a nossa motivação e a nossa mentalidade é de ir pra vencer. Sabemos que não é fácil na Champions, sempre tem times fortes, de nível muito alto, no entanto, penso que a Juve já esteja bem e que jogaremos todas as competições para ganhar. Sabemos que é difícil mas a mentalidade deve permanecer essa, de vencedor".

Tens uma ideia sobre os Scudetti? Para você são 28 ou 30?
"Eu penso o mesmo que o presidente".

A Juve, neste ano, jogou sobre tudo com uma defesa a três. Para você é um problema interpretar a defesa deste modo ou prefere uma defesa a quatro? 
"O importante é que a minha disponibilidade é grande, de poder adaptar o mais rápido possível à mentalidade do jogo, do treinador, do elenco. Esta é a coisa que penso em fazer, adaptar-me a todos e ao que pedem; adaptar-me ao modo de jogar da Juve".


A Inter decidiu te deixar ir embora mesmo tendo um contrato. A Juve te trouxe rápido. É evidente que uma das duas errou. Quem?

"Penso que a Inter errou, porque eu sou como disse antes, onde vou, dou tudo para defender as cores. Hoje sou bianconero e farei tudo para me dá melhor aqui".

Como foi o encontro com Conte? Disse alguma coisa em particular? Os teus ex-companheiros da Inter te desejaram boa sorte? O algum ficou decepcionado contigo?
"No esporte, creio que a coisa mais importante seja o respeito. Eu respeito os meus ex-companheiros e respeito meus companheiros aqui. Todo jogador deve defender a sua equipe e a minha equipe é a Juve".
Antes dissestes de escolher a Juve por querer jogar em certo nível, porque querias uma grande equipe. Hoje, a Juve é mais time que a Inter?
"Eu não fiz comparações, no entanto, uma coisa me agrada e que me deixou feliz que é o interesse da Juve no meu futebol, isto é o mais importante".

Quando o Europeu estava acontecendo, Marchisio nos perguntou se a Juve tinha trazido o Lucio mesmo. Nós dissemos que sim e ele disse: "Grande aquisição". Te pergunto que efeito tem ter esse afeto dos companheiros e se falastes algo com alguém, se alguém te disse algo. E se falastes com aqueles que ainda não chegaram...
"Não, não falei com ninguém ainda, mas certamente me sinto bem por ser bem acolhido pelos companheiros. Como disse, o caráter, o respeito, é uma coisa importante e junto com a mentalidade certa de tentar vencer... Estou feliz de sentir isto de um companheiro por a recém ter chegou. Me sinto feliz".

A Inter mandou embora todos os brasileiros e manteve todos os argentinos, fazendo chegar outros. Você acha que o 'clã argentino' venceu na gestão do grupo?
"É uma comparação política. A rivalidade entre Brasil e Argentina está em tudo, mas nós tinhamos um bom relacionamento. Foi uma decisão do clube, querendo um certo estilo de jogo. Pode ser que venceu a Argentina... Mas no campo sempre venceu o Brasil".

Se fizer um gol na Inter, comemorará?
"Como disse antes, agora defendo a Juve, é a minha equipe e certamente para mim é uma situação normal... Comemorar não é um problema".

Tu venceu as três competições com a Inter? Qual o segredo para vencer tudo numa temporada? Depois queria saber qual o teu número de maglia? É verdade que escolhestes o 2?
"Penso que a coisa mais importante é a dedicação, a aplicação do grupo, o espírito do grupo, a motivação. É claro que tem que agregar a técnica, a capacidade de cada um em campo, mas a motivação de vencer é a coisa mais importante. Escolhi o número porque gosto do 2. O número não é o mais importante, a coisa mais importante é o nosso trabalho, o campo, o nosso empenho".


Temporada passada o Milan deixou Pirlo, que foi decisivo no Scudetto da Juve. Com você, é possível repetir a história... 
 "Eu chego aqui e espero que sim, porque a minha vontade é de vencer, de fazer o melhor. É difícil comparar até por Pirlo jogar em outro setor, é um grande jogador. Mas a minha vontade é de chegar pra vencer".

Tu estás acostumado a jogar sempre, ser titular. Este ano talvez não seja assim. Estás pronto para quem sabe fazer o turnover e esperar a sua vez?
"Eu venho pra fazer o melhor, o treinador fará as escolhas".

Tu tens um bom relacionamento com Mourinho. Falastes com ele, ele te desejou boa sorte para esta nova aventura?
"Não".

Podes fazer uma lista dos três atacantes mais fortes que marcastes na tua carreira?
"É uma lista grande mas penso que Messi... também Drogba é fortíssimo... Um outro... Os atacantes com grande técnica e velozes são sempre os mais difíceis de marcar".