terça-feira, 29 de julho de 2014

Em dia tenso, pai de Tévez foi sequestrado e liberado na Argentina

(foto: Valerio Pennicino / Getty Images Sport)
Uma terça-feira atípica para os torcedores da Juventus. Tudo parecia tranquilo em Turim quando a notícia veio da Argentina sobre o sequestro do pai adotivo de Carlos Tévez que teria acontecido na manhã. As notícias que saíram a pouco revelaram que o sequestro foi pago e que o atacante da Velha Senhora teria conversado com os sequestradores para facilitar as coisas em prol da saúde da vítima. O valor do resgate não foi divulgado.


Uma surpresa e um susto. Tudo começou no início da manhã quando saindo da rua Dolores, o pai do atacante, o senhor Segundo Tevez guiava seu Volkswagen Vento e foi abordado por assaltantes que queriam apenas furtar o veículo, todavia, ao reconhecerem o condutor decidiram sequestrá-lo. O sequestro durou quase oito horas e as informações foram de que o jogador também entrou em contato para conversar com os sequestradores que exigiram alta quantia para o resgate. De acordo com as informações oriundas da Argentina, o valor dito como na casa de 1 milhão de dólares foi pago e o sequestrado deixado na entrada da cidade e já estaria são e salvo em casa. O jogador deixou o treino da Juventus no Centro de Treinamentos localizado em Vinovo, próximo a Turim, e se dirigiu ao aeroporto quando soube da liberação e permaneceu em Turim com o fim do drama.

O atleta foi liberado pela Juventus para resolver tudo e verificar a situação e fica de fora do amistoso de amanhã (30), contra o Cesena.